RENATO

LIVERA

 

Atualmente se apresenta pelo Brasil com o monólogo teatral [ C O L Ô N I A ], de sua idealização, com dramaturgia de Gustavo Colombini e direção de Vinicius Arneiro.  

 

Foi indicado ao prêmio “Troféu Imprensa” como ator revelação da Tv brasileira em 2016 com o personagem Simut, na novela "Os Dez Mandamentos". No teatro foi indicado a melhor ator coadjuvante no prêmio Ítalo Rossi do FITA 2014 (Festival de Angra), com a peça “Cachorro Quente”, direção de João Fonseca. No cinema atuou nos longas "O Tronco", de João Batista de Andrade e "Justiça na cidade armada" de Alvarina Souza. Recebeu uma indicação a melhor ator no Festival de Cinema de Goiás, com o curta-metragem "Tempo de Espera" de Selma Ferreira.

 

Iniciou seus trabalhos no teatro em 1996 com a peça "O Juiz de paz da roça", de Martins Pena. Dois anos depois ingressou na Cia. Teatral Martim Carerê, realizando sua primeira apresentação fora do país, no Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI), em Portugal. Ainda em Goiânia foi aluno da primeira turma de Artes Dramáticas da Universidade Federal de Goiás (UFG). Cursou comunicação na Faculdade Cambury e em seguida fez graduação em Artes Dramáticas no Rio de Janeiro, reforçando sua performance nas artes cênicas, na tv e no cinema. 

 

Chegando no Rio de Janeiro em 2001, foi convidado pela diretora Ana Kfouri a integrar o Grupo Alice 118. Com o grupo viajou pelo país, através do Palco Giratório, com os espetáculos "Comoção", "Potlach" e "Eu sou mais Nelson". Assumiu, junto ao profissionais do grupo, turmas de pesquisas cênicas no Centro de Estudo Artístico Experimental (CEAE) por 5 anos, no Sesc Tijuca.

 

Em 2007 fundou a Cia. Físico de Teatro, assinando a direção e idealização de importantes espetáculos, entre eles “Savana Glacial”, com dramaturgia de Jô Bilac, ganhador do Shell carioca de melhor dramaturgia e eleito um dos dez melhores espetáculos de 2010 pela Veja Rio, e de 2011 pela Folha de São Paulo. Circulou pelos mais expressivos festivais e circuitos teatrais brasileiros ao longo de 6 anos.

 

Assinou a direção de fotografia do vídeoclipe "Caminhão", de Edu Grau e do curta ficção "Assalto", além de projetos audiovisuais para o teatro e a música. 

 

Dirigiu seu primeiro curta metragem em 2016, e atualmente desenvolve o roteiro do documentário "Colônia".